Antônio Coppe

Foto enviada por Maria Luiza Rocha

Antônio Ângelo Favaro Coppe

(Texto de Maria Luiza Rocha de Andrade- SETEMBRO DE 2007)

Imaginei que falar de uma pessoa tão representativa e tão próxima me seria mais fácil quando aceitei a tarefa. Percebo que isso se converteu em algo mais complexo do que eu poderia imaginar; um pouco pela proximidade, um pouco pelo medo de que minhas palavras não sejam suficientemente generosas para expressar o que entendo como necessário, outro tanto pela emoção que isso gera em mim.

Sem dúvida Coppe é uma pessoa muito significativa para a Educação, para a Psicologia – em especial para a Abordagem Centrada na Pessoa (ACP) e para tantas pessoas, que como eu, temos a oportunidade de conhecer, conviver e desfrutar de seus conhecimentos, experiências, ensinamentos e, o mais importante, de sua presença.

Antônio Ângelo Favaro COPPE, segundo suas próprias palavras é “biologicamente nascido em Varginha e existencialmente em Lambari”, cidades situadas no sul de Minas, na década de 50. De lá saiu para Belo Horizonte.

Graduou-se em Psicologia (na PUC Minas) em 1979, optando pela clínica. Lecionou em várias Faculdades, Cursos de Pós-Graduação, Cursos de Formação e desde 1980, é professor da PUC-MG, tendo lecionado várias disciplinas – dentro da Teoria Humanista. Supervisiona a prática dos alunos, o que possibilita que contribua mais de perto para a formação clínica de muitos jovens futuros psicoterapeutas, além de – segundo ele – “seguir vivendo um contínuo processo de aprendizagem com os alunos”. Atualmente é também Coordenador de Estágios na mesma Instituição.

Dedica-se ao trabalho com Grupos de Encontro há mais de 25 anos. Muitas vezes o ouvi dizer que “gostaria de morrer fazendo grupos”; posteriormente o vi modificar esta frase dizendo que “quer viver fazendo grupos”, e assim o faz.

Atualmente integra a equipe responsável por mais um lugar de referência para a Abordagem Centrada na Pessoa: o Centro de Psicologia Humanista – CPH Minas, em Belo Horizonte.

Com seu trabalho dedicado, sério, comprometido com a ética, com o processo, com as pessoas, com a prática das atitudes facilitadoras e com o seu tempo, Coppe tem divulgado a ACP, facilitado sua aprendizagem, despertado o interesse de muitos por esta abordagem e ajudado pessoas em seus processos de crescimento, sendo um referencial dentro da Abordagem Centrada na Pessoa.

Venceu o silêncio e a reserva, característicos da maioria dos mineiros, apresentando o trabalho de Rogers, os eventos organizados na ACP, participando, divulgando e conquistando outros espaços e outros afetos, revelando seu trabalho, empenho e coragem.

Como pessoa tem o dom de incluir, de iniciar, de fazer acontecer.

Guarda um pouco do “rompante”, da fala austera de sua herança italiana… Mas seu coração mineiro é manso e está sempre disposto a partilhar.

Aprecia uma boa prosa, regada a muito afeto, de preferência na cozinha que é o lugar predileto dos mineiros.

Da vida, é um “esperançoso incorrigível”, como ele mesmo diz. Acredita no amor e arrisca-se nas relações, dando-se a chance de tentar, de ousar, de viver, de SER.

Particularmente agradeço-lhe por ter me facilitado tantas vezes e por ter suscitado em mim o desejo de seguir por este caminho Centrado na Pessoa.